TV Assembleia

Programação | Fale Conosco | Notícias
05-03-21 13:19

Exame de sangue é capaz de indicar risco de Covid severa, revela estudo

Pesquisadores afirmam que é possível prever o risco de Covid-19 severa em amostras sanguíneas que apresentem uma série de biomarcadores associados à ativação dos glóbulos brancos durante uma infecção

Um novo estudo realizado por pesquisadores da prestigiada Universidade de Yale, nos Estados Unidos, divulgado na revista Blood Advances, aponta que um exame de sangue pode ajudar os médicos a identificarem indivíduos com um risco mais elevado de desenvolver quadros graves de Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírusSARS-CoV-2.


Segundo um artigo publicado na revista Galileu, os autores do estudo consideram que é possível prever esse risco em amostras sanguíneas pela presença de uma série de indicadores biológicos — denominados debiomarcadores — associados à ativação dos glóbulos brancos durante uma infecção.

"Pacientes com altos níveis desses marcadores têm maior propensão de precisar de ventiladores e de cuidados na unidade de terapia intensiva ou de falecer devido à Covid-19", afirmou Hyung Chun, o líder do estudo, num comunicado emitido à imprensa.Os pesquisadores chegaram a essa conclusão depois de analisarem amostras de sangue de 100 indivíduos internados em hospitais que viriam a sofrer de quadros distintos de Covid-19.

Para efeitos daquela pesquisa, os especialistas usaram perfis proteômicos, ou seja uma triagem de várias proteínas no sangue, de modo a examinarem as amostras, e adicionalmente estudaram os dados clínicos de outros mais três mil pacientes diagnosticados com Covid.

Foi então que notaram que os casos mais severos da patologia estavam diretamenteligados a índices mais elevados de cinco proteínas associadas aos neutrófilos, isto é um tipo de glóbulo branco, nomeadamente a resistina, a lipocalina-2, a HGF, a IL-8 e a G-CSF.

Conforme explica a revista Galileu, todos os pacientes que acabaram sendo internados em unidades de cuidado intensivo detinham uma presença superior desses biomarcadoresrelacionados aos neutrófilos, comparativamente a pessoas que não adoeceram gravemente - sendo que nenhum dos pacientes com níveis reduzidos desses biomarcadoresmorreu.

Para Chun: "se um teste de diagnóstico [para esses biomarcadores] puder ser solicitado mais cedo, podemos ter uma noção melhor de quem tem maior probabilidade de ficar gravemente doente e se beneficiará de um cuidado maior e de terapias que afetam o sistema imunológico precocemente na hospitalização".

"Muitos desses medicamentos acarretam possíveis efeitos secundários, então esses testes podem ajudar a identificar os pacientes que mais beneficiariam disso".

 


Com informações Notícias ao Minuto




mais noticias




R. Desembargador Mota, Sem Número - Monte Castelo - Teresina/PI (86) 3326 2300 e (86) 3326 2301
Copyright © 2013 - Assembleia Legislativa do Piauí