TV Assembleia

Fale Conosco | Notícias
20-09-19 10:58

ONU: uma grávida ou um recém-nascido morre a cada 11 segundos no mundo

As mulheres na África ao sul do Saara enfrentam um risco de morte de 1 em 37 durante a gravidez ou o parto

Novas estimativas de grupo liderado por Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que 6,2 milhões de crianças menores de 15 anos morreram em 2018 e mais de 290 mil mulheres morreram devido a complicações durante a gravidez e o parto em 2017. Do total de mortes infantis, 5,3 milhões ocorreram nos primeiros 5 anos, com quase metade delas no primeiro mês de vida.

A meta global prevista nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável é reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 por 100 mil nascidos vivos até 2030. O mundo ficará aquém dessa meta em mais de 1 milhão de vidas se o ritmo atual de progresso se mantiver.

Redução

Mais mulheres e suas crianças estão sobrevivendo hoje do que nunca antes na história, de acordo com as novas estimativas de mortalidade infantil e materna divulgadas nesta quinta-feira (19) por grupos das Nações Unidas liderados por Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Desde 2000, as mortes infantis diminuíram quase a metade e as mortes maternas em mais de um terço, principalmente devido ao acesso melhorado a serviços de saúde disponíveis e de qualidade.

“Nos países em que se fornecem serviços de saúde seguros, acessíveis e de alta qualidade para todos, mulheres e bebês sobrevivem e prosperam”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Esse é o poder da cobertura universal de saúde.”

Ainda assim, as novas estimativas revelam que 6,2 milhões de crianças menores de 15 anos morreram em 2018 e mais de 290 mil mulheres morreram devido a complicações durante a gravidez e o parto em 2017. Do total de mortes infantis, 5,3 milhões ocorreram nos primeiros 5 anos, com quase metade delas no primeiro mês de vida.

Mulheres e recém-nascidos são mais vulneráveis durante e imediatamente após o parto. Estima-se que 2,8 milhões de mulheres grávidas e recém-nascidos morram a cada ano, ou um a cada 11 segundos, principalmente de causas evitáveis, dizem as novas estimativas.

As crianças enfrentam o maior risco de morrer no primeiro mês, principalmente se nascerem muito prematuramente ou muito pequenas, tiverem complicações durante o nascimento, defeitos congênitos ou infecções adquiridas. Cerca de um terço dessas mortes ocorrem no primeiro dia e quase três quartos apenas na primeira semana.

“Em todo o mundo, o nascimento é uma ocasião alegre. No entanto, a cada 11 segundos, um nascimento é uma tragédia familiar”, disse Henrietta Fore, diretora executiva do UNICEF. “Um par de mãos habilidosas para ajudar mães e recém-nascidos na época do nascimento, junto com água limpa, nutrição adequada, medicamentos básicos e vacinas, podem fazer a diferença entre vida e morte. Devemos fazer todo o possível para investir na cobertura universal de saúde para salvar essas vidas preciosas”.

Grandes desigualdades em todo o mundo

As estimativas também mostram vastas desigualdades em todo o mundo, com mulheres e crianças na África ao sul do Saara enfrentando um risco de morte substancialmente mais alto do que em todas as outras regiões.

O nível de mortes maternas é quase 50 vezes maior para as mulheres na África ao sul do Saara e seus bebês têm uma probabilidade 10 vezes maior de morrer no primeiro mês de vida, em comparação com aqueles dos países de alta renda.

Em 2018, 1 em cada 13 crianças na África ao sul do Saara morreu antes do quinto aniversário – 15 vezes maior do que o risco que uma criança enfrenta na Europa, onde apenas 1 em 196 crianças com menos de 5 anos morre.

As mulheres na África ao sul do Saara enfrentam um risco de morte de 1 em 37 durante a gravidez ou o parto. Em comparação, esse risco para uma mulher na Europa é de 1 em 6.500. A África ao sul do Saara e a Ásia Meridional são responsáveis por cerca de 80% das mortes maternas e infantis globais.

Os países em conflito ou crise humanitária geralmente têm sistemas de saúde fracos, o que significa que mulheres e crianças não têm acesso a cuidados essenciais e vitais. As mulheres enfrentam maior risco de morrer durante gravidez ou parto em Sudão do Sul, Chade, Serra Leoa, Nigéria, República Centro-Africana e Somália.

Progresso associado à cobertura universal de saúde

O mundo fez progressos substanciais na redução da mortalidade infantil e materna. Desde 1990, houve uma redução de 56% nas mortes de crianças menores de 15 anos, de 14,2 milhões para 6,2 milhões em 2018. Os países do leste e sudeste da Ásia fizeram mais progressos, com um declínio de 80% nas mortes dos menores de 5 anos.

E de 2000 a 2017, a taxa de mortalidade materna diminuiu 38%. A Ásia Central e Meridional teve importantes melhorias na sobrevida materna com uma redução de 60% na taxa de mortalidade materna desde 2000.

Bangladesh, Belarus, Camboja, Cazaquistão, Malawi, Marrocos, Mongólia, Ruanda, Timor-Leste e Zâmbia são alguns dos países que demonstraram progressos substanciais na redução da mortalidade infantil ou materna. O sucesso se deve à vontade política de melhorar o acesso a serviços de saúde de qualidade, investindo na força de trabalho em saúde, introduzindo atendimento gratuito para mulheres e crianças grávidas e apoiando o planejamento familiar. Muitos desses países se concentram na atenção primária à saúde e na cobertura universal de saúde.

Para as crianças que sobrevivem ao primeiro mês, as doenças infecciosas, como pneumonia, diarreia e malária, são as que mais matam no mundo. Nas crianças mais velhas, as lesões – incluindo lesões no trânsito e afogamentos – se tornam importantes causas de morte e invalidez.

As mortes maternas são causadas por complicações obstétricas, como pressão alta durante a gravidez e sangramento grave ou infecções durante ou após o parto; e cada vez mais devido a uma doença ou condição existente agravada pelos efeitos da gravidez.

Metas globais

A meta global para acabar com a mortalidade materna evitável (meta 3.1 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS) é reduzir a taxa de mortalidade materna global (MMR) para menos de 70 por 100 mil nascidos vivos até 2030. O mundo ficará aquém dessa meta em mais de 1 milhão de vidas se o ritmo atual de progresso se mantiver.

A meta dos ODS (3.2) para acabar com as mortes evitáveis de recém-nascidos e crianças com menos de 5 anos é reduzir a mortalidade neonatal para pelo menos 12 por 1.000 nascidos vivos e mortalidade com menos de 5 anos para pelo menos 25 por 1.000 nascidos vivos. Em 2018, 121 países já haviam atingido essa taxa de mortalidade para menores de 5 anos. Entre os 74 restantes, 53 países precisarão acelerar o progresso para alcançar a meta dos ODS de sobrevivência infantil até 2030.


Fonte: ONU
Imagem: Unicef



mais noticias




R. Desembargador Mota, Sem Número - Monte Castelo - Teresina/PI (86) 3326 2300 e (86) 3326 2301
Copyright © 2013 - Assembleia Legislativa do Piauí