TV Assembleia

Fale Conosco | Notícias
26-03-19 13:16

Veja a diferença entre intolerância à lactose e alergia à proteína do leite

Apesar de serem desencadeadas pelo mesmo alimento, essas condições são bem diferentes entre si

Você já deve ter ouvido falar de intolerância à lactose, certo? E da alergia à proteína do leite da vaca (APLV), também? Apesar de serem desencadeadas pelo mesmo alimento, essas condições são bem diferentes entre si.

A começar pelo nome, afinal intolerância é diferente de alergia: a primeira ocorre quando o corpo não é capaz de digerir um certo nutriente (no caso, a lactose, que o açúcar do leite). Isso ocorre devido à falta de uma enzima chamada lactase, que quebra esse açúcar em versões menores. "Sem a enzima, a lactose vira alimento para bactérias no intestino o que provoca fermentação", explica Ricardo Correa Barbuti, gastroenterologista e médico assistente do Departamento de Gastroenterologia do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

Já a segunda é uma reação do sistema imunológico ao consumo do alimento, que o encara como um risco ao organismo e ataca o sistema digestivo. Qualquer um pode desenvolver esse tipo de alergia ao longo da vida, mas ela é muito mais comum nos primeiros meses de vida e tende a desaparecer logo nos primeiros anos da infância.

Sintomas são bastante parecidos

Os sintomas também podem ser bastante semelhantes. A intolerância é marcada por sinais como:

  • Dores de barriga;
  • Desconforto abdominal;
  • Gases;
  • Diarreia
    .

A lactose também vai causar um desequilíbrio da microbiota intestinal, o que pode levar a sintomas que vão além do sistema digestivo como: enxaqueca, fadiga crônica e dores articulares.

Já na alergia à proteína do leite de vaca, os sintomas variam conforme o tipo de alergia. Quando ela aciona o anticorpo imunoglobulina E (IGE), o organismo produz anticorpos contra o leite. É como se o corpo entendesse que precisa atacar essa proteína para se defender. Os sintomas são imediatos e ocorrem até uma hora após a ingestão do alimento. Os principais são:

  • Inchaço nos olhos e boca;
  • Manchas vermelhas pelo corpo;
  • Urticárias;
  • Desmaio;
  • Falta de ar;
  • Tosse;
  • Vômito;
  • Diarreia;
  • Choque anafilático.

Outro tipo de alergia ocorre quando a proteína do leite entra em contato com a mucosa intestinal. Nesse caso, há uma ativação do sistema imunológico que produzirá sintomas locais que demoram mais tempo para desaparecer, como:

  • Diarreia;
  • Má absorção dos alimentos;
  • Inflamação;
  • Sangue nas fezes;
  • Vômito;
  • Desnutrição.

O terceiro tipo mistura um pouco dos sintomas das duas. Podem ocorrer desde diarreia até o choque anafilático.

Ambos precisam parar de tomar leite?

Em ambos os casos é recomendado evitar leites e derivados. No entanto pessoas com intolerância podem ainda consumir alguns itens que tenham menos lactose, como queijos muçarela, parmesão e provolone. Já itens como o leite, o leite em pó desnatado, requeijão, queijos como o branco, cottage, ricota carregam quantidades maiores desse açúcar.

Pessoas com intolerância também podem é tomar a enzima lactase sintética antes de consumir leite e derivados. Também há a possibilidade de suplementação diária com cepas probióticas que podem ajudar na digestão da lactose e aliviar os sintomas.

Já na alergia, por despertar o sistema imunológico e em alguns casos estar ligada à anafilaxia, pede uma dieta rigorosa, sem nenhum contato com a proteína do leite de vaca. Em alguns pacientes, o cheiro da fervura do leite, o beijo de alguém que acabou de consumir o alimento podem resultar em reações. Uma esponja que lava a louça com o alimento pode levar resquícios para os utensílios do alérgico.

Como é o diagnóstico?

A alergia e a intolerância costumam aparecer em fases diferentes da vida: a primeira se manifesta mais em crianças (os casos em que ela começa em adultos são mais incomuns), enquanto a segunda é bem mais comum nos adultos. Por isso, normalmente não há muita confusão nos diagnósticos.

Nos casos de intolerância, o médico primeiro pode suspender o leite e derivados por 20, 30 dias para observar a ocorrência e o desaparecimento dos sintomas. Além disso, há quatro tipos de exames:

  • Exame sanguíneo, no qual o paciente toma uma solução de lactose e faz um exame de sangue na sequência para aferir os níveis de glicose no sangue. O indicador permanece inalterado para quem tem o distúrbio;
  • Exame respiratório, em que se examina os níveis de hidrogênio expirados após a ingestão de uma dose concentrada de lactose;
  • Biópsia do intestino, procedimento no qual é analisado se há a enzima lactase em um fragmento do órgão;
  • Teste genético, que identificará se a pessoa tem os genes responsáveis pela ativação da enzima, e a predisposição para desenvolver a condição em algum momento da vida.
Nos casos de alergia, é analisada a frequência dos sintomas e também cronologia das reações ao alimento --elas não podem ocorrer dois dias depois, por exemplo. Também podem ser solicitados exames laboratoriais (cutâneos ou de sangue) para detectar a presença do anticorpo IgE para ajudar no desfecho do diagnóstico.

Já o segundo tipo, que atinge a mucosa intestinal, é diagnosticado mediante a análise do quadro clínico e pela resposta do paciente à dieta de exclusão do alimento. 

Com informações UOL Viva Bem

Edição Site TV Assembleia

Fonte: UOL Viva Bem - Por Maria Carolina Buriti
Imagem: Chef Tá na Mesa



mais noticias




R. Desembargador Mota, Sem Número - Monte Castelo - Teresina/PI (86) 3326 2300 e (86) 3326 2301
Copyright © 2013 - Assembleia Legislativa do Piauí