UFPI anuncia atividades da Semana Nacional do Sono no Parque Potycabana
15/03/2019 09:23

Estão sendo realizadas em todo o Brasil, desde o dia 11 até 17 de março, atividades alusivas da Semana Nacional do Sono, um evento proposto pela Associação Brasileira do Sono – ABS e demais entidades. Nesse ano o tema: “Dormir bem é envelhecer com saúde”, aborda toda população e também, com um enfoque maior, o público da terceira idade. Nesse intuito, estão sendo desenvolvidas ações para orientação e conscientização da melhor qualidade do sono nos mais variados espaços e principalmente nos abrigos e lares de longa permanência para idosos.

O Professor Renato Mendes, docente do Curso de Medicina de Picos – CSHNB, juntamente com a Professora Daysi Satomi Ykeda (UESPI), representante da ABO - seccional Piauí e demais profissionais, desenvolvem ações durante a semana, tanto na cidade de Picos como também em Teresina. E de acordo com a programação nacional, com atividades simultâneas em todo Brasil, em Teresina uma grande ação social será realizada neste sábado, 16, das 7h às 12h, no Parque Potycabana.

No CSHNB em Picos, o Prof. Renato Mendes desenvolve dois projetos de extensão relacionados à temática de Saúde e Sono, intitulados: “Educação é Arte, Saúde é Sono” e o outro “Educação sobre Saúde e Sono na Universidade”, com 18 alunos monitores bolsistas e voluntários dos cursos de Medicina, Enfermagem e Nutrição. As atividades realizadas para semana do sono contam com o apoio do NESP – Núcleo de Estudos em Saúde Pública e com o GPESC – Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva com ações na linha de trabalho sobre Saúde Mental e Sono.

“Os projetos de extensão tem como objetivo trabalhar ações tanto na comunidade acadêmica quanto fora da UFPI. Nesse ano teremos oportunidade de desenvolver atividades com os funcionários do Restaurante Universitário, com os Alunos da Residência Universitária e também no Lar de Longa Permanência de Idosos na cidade de Picos e Teresina, conscientizando sobre os principais problemas que afetam, os Distúrbios do Sono e principalmente orientando as pessoas a fazerem uma higiene do sono, visando uma melhora na qualidade de vida cotidiana”, pontua o Prof. Renato Mendes.

Privação de sono e a sociedade 24/7

Acordar quantas vezes na semana acorda sem a ajuda do despertador, sentindo-se bem e descansado? E quantas vezes aciona a função "soneca" do despertador para conseguir dormir alguns minutinhos a mais? Se é difícil responder a primeira questão e a segunda situação é algo recorrente em sua vida, seu organismo está sinalizando que você está em débito com o seu sono. A dificuldade em sair da cama pela manhã, sonolência diurna e necessidade de ingerir estimulantes, como cafeína, para manter-se acordado são sinais que podem refletir sono em quantidade insuficiente, situações de privação ou restrição de sono.

 A redução do tempo de sono é característica da sociedade atual. A cultura da sociedade 24/7, ou seja, sociedade que funciona 24 horas por dia durante 7 dias na semana repercute em mudanças no estilo de vida que muitas vezes negligenciam o tempo de sono. Diversos estudos direcionam para a tendência dos indivíduos dormirem menos, sem no entanto haver mudança na necessidade fisiológica do tempo de sono.

 A necessidade de sono varia em cada indivíduo. Em média, um adulto precisa dormir 7 a 9 horas por noite, com variações entre os indivíduos que podem ir de 6 a 10 horas de sono.  No entanto, reconhecer e respeitar a necessidade de sono está cada vez mais difícil. O aumento da jornada de trabalho/estudo, o crescimento do desenvolvimento tecnológico e o ritmo da sociedade 24/7 são fatores que fazem a população ficar privada de sono. Quem paga por esse débito de sono é a nossa saúde e qualidade de vida.

 Algumas consequências de dormir pouco, ou até mesmo de não dormir a noite inteira são facilmente reconhecidas: cansaço, fadiga, sonolência, dificuldade de concentração e alterações no humor. Consequências que podem impactar não apenas a vida do indivíduo, mas toda a sociedade. A sonolência é uma das principais causas de acidentes de trânsito no Brasil, segundo o Conselho Nacional de Trânsito.

A quantidade de horas dormidas e o tempo acordado influenciam diretamente na habilidade em conduzir um veículo. Ainda, fadiga e falta de atenção são causas comumente relatadas em acidentes de trabalho.

Contudo, o papel da sonolência (dificuldade em manter estado de alerta) e dos distúrbios de sono ainda é negligenciado pela maioria. Além das consequências agudas da privação de sono, a redução crônica do tempo de sono repercute em diversas consequências negativas para a saúde, aumentando risco para doenças cardiometabólicas, como obesidade, hipertensão e diabetes.

Reconhecer a necessidade de sono e respeitar o seu ritmo é imprescindível para o bom funcionamento do organismo. O tempo de sono ideal é aquele em que acordamos sem ajuda do despertador (despertar fisiológico), sentindo-se bem e conseguindo realizar as tarefas do dia-a-dia com disposição física e mental.

Encontre o seu tempo de sono ideal e procure manter uma rotina de sono respeitando a necessidade do seu corpo. Manter hábitos saudáveis para o sono, como evitar exposição a aparelhos eletrônicos próximo ao horário de dormir, e evitar ingerir bebidas cafeinadas ou bebidas alcoólicas, ajudam a ter uma noite de sono com qualidade. Dormir com qualidade e quantidade ideais é essencial para a saúde e bem-estar. (Paula Araujo).



Edição Site TV Assembleia

Fonte: UFPI/ABS

RUA DESEMBARGADOR MOTA, S/N - BAIRRO MONTE CASTELO/TERESINA-PI / CEP 64016-270 - TELEFONE (86) 3326 2300. Copyright © 2019 - TV Assembleia - Assembleia Legislativa do Piauí